Buscar por conteúdo

Adidas adiPure 11Pro – Preview

As chuteiras de controle podem não ser as mais novas no mercado mas são as que tem ganho mais atenção das fabricantes e do mercado.
No ultimo semestre a UMBRO lançou sua GEOETRA e a ADIDAS deu um novo foco a sua tradicional PREDATOR ao integrar as preocupações de controle e peso, transformando a PowerBoot em um modelo quase híbrido.
Enquanto desenvolve um modelo pra bater de frente com CTR e GEOMETRA, a marca das três listras continua adicionando tecnologia de ponta a sua chuteira mais clássica, a adiPure.

O primeiro passo da ADIDAS no desenvolvimento da próxima evolução da adiPure foi mudar a forma como os modelos são testados. Em vez de chamar um jogador chave para sua fabrica, desenvolver o modelo longe das câmeras e só no final do ciclo distribuir modelos allblack ou então, seguindo a nova tendencia, all white para alguns poucos jogadores, os alemães maquiaram o novo modelo como se fosse uma adiPure IV e chamaram  o alemão Bastian Schweinsteiger para testar o modelo.

Funcionaria se o padrão diferente das costuras no toebox e do detalhe da ‘sela’ lateral-que modificou a posição das três listras -além do novo solado – não chamassem atenção.  Apesar da expectativas darem conta que o modelo seria uma resposta à CTR, uma foto de catalogo da nova adiPure, além de uma imagem de Michael Ballack usando um modelo mais indicado a disputar o mercado de controle, confirmaram que Schweinsteiger testava mesmo o modela da linha heritage.

Quanto às especificações técnicas, é justamente o que a ADIDAS batizou de ‘sela’ (do inglês saddle) que identificou o modelo. Notem como no calçado usado pelo jogador do Bayern e na adiPure 11Pro há uma especie de ‘U’ que circunda o modelo de um lado ao outro, delimitado pelos dois primeiros e os dois últimos passadores de cadarço, criando um painel lateral que garante mais estabilidade. O esquema é parecido com o ‘A’ que a Umbro usa em suas chuteiras, gerando mais estabilidade lateral.

Mas o verdadeiro diferencial da nova chuteira será sua soleplate. Além de um update no sistema Traxion, que modifica mais uma vez a sprintframe  – velocidade na F50 e força na Predator – para garantir estabilidade e adiciona duas tecnologias diferentes. A primeira delas chama-se Flexzone e como o nome diz é uma área bem no começo do pé que ajuda com a flexibilidade e o movimento linear. A segunda atende pelo nome de Plusflex, basicamente uma separação na soleplate entre o terceiro e quarto dedo, o que garante uma melhora nos movimentos laterias e adaptação ao campo.

Outra novidade – mas que deve desagradar os fãs mais apegados ao termo heritage – é a troca do couro de canguru pelo couro Taurus, foi primeiramente usado na Predator X. O Taurus garante leveza, sem contar que lida melhor com a água – praticamente repelente – e com o calor. Ainda assim o couro de canguru se faz presente na área de chute para melhor lidar com a alta abrasão que a área sofrerá no seu uso. Fechando o pacote tecnológico entram as travas com duplo amortecimento. Elas trazem tubos anti-choque e uma flange bem no meio do seu curso.

Fazendo jus a sua nova estrategia de adicionar diferentes focos nas suas chuteiras e criar modelos Híbridos – a nova Predator é uma Powerboot com baixo peso e algum foco de controle – a nova adiPure 11Pro é uma chuteira da linha heritage especializada em conforto com alguns elementos de controle.  O modelo ainda traz a tecnologia miCoach que estreou na nova F50 Adizero II.