Buscar por conteúdo

Converse Celebra A Diversidade Em Mais Uma Parceria Com O Coletivo MO.O.C

Fechando os festejos do mês do orgulho LGBTQ+, a CONVERSE reforça sua crença nos mais diferentes movimento que lutam pela liberdade de expressões de gênero, identidades e orientações sexuais.

Aqui no Brasil, pela primeira vez, desembarcou a coleção PRIDE, composta por três edições do CHUCK TAYLOR ALL STAR nas suas mais famosas iterações, HI e OX.

Marcados pela presença das cores do arco-íris, os modelos e a mensagem “YES TO ALL”, disseminada globalmente pela marca, ganharam uma nova campanha, produzida pelo coletivo MO.O.C e batizada HUMAN VOGUING.

A ação foi inspiradas na cultura de mesmo nome, que se iniciou nos Estados Unidos na década de 1980 e influencia até hoje as cenas artística e musical de todo o mundo – incluindo a nossa. Para acompanhar as imagens um texto em tom de manifesto, que explica a opção por jogar luz em figuras do universo LGBTQ+ antes marginalizadas, mas que nunca deixaram de exercer seu protagonismo no mais democrático dos palcos, a rua, maior responsável por imortalizar o grande ícone da CONVERSE, o CHUCK TAYLOR ALL STAR.

Lugares em comum, tudo junto e misturado.
Cabarés, restaurantes, inferninhos, cafés, cinemas de rua e bares: assim transitavam os marginalizados da identidade.
Tratados como figuras quase que folclóricas e aberrações ligadas a um submundo incoerente, negavam espaços, dando ao preconceito e à homofobia vasta liberdade.
Ainda assim, sempre existiu um lugar relativamente livre para o pertencimento desses: a rua.
Seio maternal de muitas culturas, cheias de movimentos angulares e lineares, caras e bocas, hi-fi’s e ballrooms,
Hoje temos Glamazon’s, Strike a Pose, e um mundo de Voguing que saiu das ruas do Harlem e do domínio afro-americano, ganhou o mainstream e é símbolo de representatividade LGBTQ+ universal.

 

A ideia do coletivo MO.O.C foi traduzir essa realidade para o cenário atual brasileiro, preocupando-se de forma autêntica com cada detalhe, do casting de pessoas reais à trilha.
“O filme foi pensado em como a cultura do vogue é muito presente na comunidade LGBTQ brasileira. Quando pensamos nessa forma de arte, temos muitas referências dos EUA e ao fazer este trabalho pudemos perceber que é algo muito forte e que procura cada vez mais se mostrar presente na cena local.

Assim, como a CONVERSE, nos mantemos fiéis a nossa essência, adaptando, sempre que preciso, ao cenário atual. Por isso nosso casting é formado em sua maioria por jovens negros, periféricos e latinos, trazendo sempre uma boa parcela feminina para o contexto. O figurino também reflete essa diversidade, pois cada participante tem sua forma de se expressar, seja na dança ou na própria vestimenta, nos permitindo criar vários conteúdos visuais através deles”.

O local escolhido para a produção foi o Estúdio Lâmina, que cedeu seus diversos cômodos para que fossem recriados os cenários originais das batalhas de voguing, mantendo o espírito undergroung das origens dessa cultura.

O coletivo contou, ainda, com uma equipe convocada para dar suporte à captura das imagens na busca pelo máximo de fidelidade à vivência dos dançarinos e à forma natural como eles interagem com a câmera, fazendo da trilha – com seus beats atemporais e facilmente reconhecíveis – um outro elemento fundamental para a composição.

FICHA TÉCNICA

Direção: Raphael Fidelis
Diretor de fotografia: Louis Rodrigues
Diretor criativo: MO.O.C.
Diretor de arte: Vinicius Teixeira
Cenografia: MO.O.C.
Operador de câmera: Fabio Politi
Assistente de câmera 1: Caique Barboza
Assistente de câmera 2: Giovanna Telles
Fotografia still: Catarina Martins
Colorista: Renan Lazari (Corazon Filmes)
Edição: Raphael Fidelis
Trilha: Deryck Cabrera
Direção de beleza: Breno Mello / Lídia Thays
Estilo: Suyane Ynaya
Assistente de estilo: Beatriz Silva Ribeiro
Produção: Catarina Martins / Suyane Ynaya / Kevin David
Produção de elenco: Kevin David
Comunicação: Levi Novaes